Quicken

A Intuit criou um Oceano Azul com seu pacote de softwares financeiros Quicken procurando mercados substitutos e reconstruindo os limites entre eles.

Para organizar as finanças pessoais, as pessoas podem comprar e instalar um pacote de software financeiro, contratar um CPA ou simplesmente usar lápis e papel. O software, o CPA e o lápis são amplos substitutos uns dos outros. Eles têm formatos muito diferentes, mas servem para a mesma função: ajudar as pessoas a gerenciar suas finanças.

Em vez de fazer uma análise comparativa da concorrência, a Intuit criou um Oceano Azul olhando para o lápis como a principal alternativa ao software financeiro pessoal a fim de desenvolver o software Quicken. A Intuit concentrou-se em trazer ambas as vantagens decisivas que o software financeiro tem sobre o lápis – velocidade e precisão; e as vantagens decisivas que o lápis tinha sobre o software – simplicidade de uso e baixo preço – e eliminou ou reduziu todo o resto.

Com a interface amigável do Quicken parecida com os talões de cheques, ela era mais rápida e precisa do que o lápis, ainda que quase tão simples de usar. O programa eliminou os jargões contábeis e os recursos sofisticados que eram oferecidos pelos softwares financeiros tradicionais, proporcionando somente as funções básicas que a maior parte dos clientes utilizava.

O produto era tão simples, fácil de usar, divertido e produtivo que os compradores passaram a amá-lo. Além disso, o software simplificado reduziu os custos. O lápis, assim como outros pacotes de softwares, não tinham como competir.
Atualmente, mais de trinta anos depois, o Quicken ainda é o software financeiro pessoal número um em vendas. A Microsoft tentou por anos eliminar a inovação de valor da Intuit. Porém, após quase trinta anos de esforços e investimentos, ela finalmente jogou a toalha e cessou as operações do concorrente Microsoft Money em 2009.

Iniciativas Estratégicas dos Oceanos Azuis

Blue ocean strategy is based on over decade-long study of more than 150 strategic moves spanning more than 30 industries over 100 years. The research of W. Chan Kim and Renée Mauborgne focused on discovering the common factors that lead to the creation of blue oceans and the key differences that separate those winners from the mere survivors and those adrift in the red ocean.The database and research have continued to expand and grow over the last ten years since the first edition of the book was published and the strategic moves we studied depict similar patterns, whether blue oceans were created in for-profit industries, non-profit organizations, or the public sector.

Temos alguns exemplos de iniciativas estratégicas de Oceano Azul em várias organizações e setores diferentes. Selecione os ícones abaixo para saber mais.

Estudo de Caso da Bloomberg Financial News
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Canon
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Cemex
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Cirque du Soleil
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Curves
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Modelo T da Ford
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do iTunes
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da JCDeaux
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da NetJets
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Novo Nordisk
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Departamento de Polícia de Nova York
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Peirce College
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Philips
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da QBHouse
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Quicken
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Polo Ralph Lauren
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Viagra
We use cookies to ensure you get the best experience on our website and continuing implies your consent - Read our full cookie policy Okay, don’t show me again