Novo Nordisk

A Novo Nordisk, uma produtora dinamarquesa de insulina, criou um Oceano Azul na indústria de insulina desafiando o conhecimento convencional da indústria sobre qual grupo de compradores ter como alvo. Ao analisar os grupos de compradores, ela obteve novas perspectivas sobre como dar um salto no valor para um conjunto de compradores anteriormente negligenciado.

A insulina é usada por diabéticos para regular o nível de açúcar no sangue. Historicamente, a indústria de insulina, como a maior parte da indústria farmacêutica, voltava a sua atenção para os principais influenciadores: os médicos. A importância dos médicos em afetar a decisão de compra de insulina de pessoas diabéticas os tornou o grupo-alvo da indústria. Nesse sentido, a indústria voltou sua atenção e seus esforços para produzir uma insulina mais pura em resposta à busca dos médicos por medicamentos melhores.

O problema era que as inovações na tecnologia de purificação melhoraram drasticamente no início da década de 80. A Novo, em si, já havia criado uma insulina que era uma cópia quimicamente exata da insulina humana. Enquanto a pureza da insulina fosse o principal parâmetro sobre o qual as empresas competiam, pouco progresso poderia ser feito nessa direção, e já estava ocorrendo rapidamente uma convergência competitiva.

A Novo Nordisk, no entanto, viu que poderia se destacar entre a concorrência e criar um Oceano Azul mudando o foco de longa data da indústria de médicos para usuários – os próprios pacientes. Ao concentrar-se nos pacientes, a Novo Nordisk descobriu que a insulina, que era fornecida para pacientes diabéticos em frascos, apresentava grandes dificuldades para ser administrada. Isso levou a Novo Nordisk até a oportunidade de Oceano Azul do NovoPen, a primeira solução administradora de insulina fácil de usar, a qual havia sido concebida para eliminar as dificuldades e o constrangimento ao administrar insulina. Os pacientes podiam levar a caneta consigo e injetar insulina com facilidade e conveniência sem a complexidade e o constrangimento social das seringas e agulhas.

Para dominar o Oceano Azul que havia descoberto, a Novo Nordisk logo lançou o NovoLet, uma caneta descartável e pré-abastecida para a injeção de insulina com um sistema de dosagem que proporcionava aos usuários uma conveniência e facilidade de uso ainda maiores. Não demorou muito para que ela apresentasse o Innovo, uma memória eletrônica integrada e um cartucho baseado no sistema de aplicação.

A Estratégia do Oceano Azul da Novo Nordisk mudou o cenário da indústria e transformou a empresa de uma produtora de insulina para uma empresa de cuidados com a diabete. O NovoPen e os sistemas de aplicação posteriores varreram o mercado de insulina. As vendas de insulina em dispositivos ou canetas pré-abastecidos agora dominam a Europa, a Ásia e a Escandinávia, onde os pacientes são aconselhados a tomar injeções frequentes de insulina todos os dias. Atualmente, quase 30 anos desde a sua iniciativa estratégica inicial do Oceano Azul, a Novo Nordisk permanece sendo a líder global em cuidados com a diabete, com cerca de 70 por cento do seu faturamento total sendo proveniente destes produtos, que foram originados principalmente por ela pensar em termos de usuários, em vez de influenciadores.

O estudo de caso da Novo Nordisk mostra como reconstruir limites de mercado enxergando além da cadeia de compradores; é a terceira fronteira do modelo das seis fronteiras da Estratégia do Oceano Azul.

Iniciativas Estratégicas dos Oceanos Azuis

Blue ocean strategy is based on over decade-long study of more than 150 strategic moves spanning more than 30 industries over 100 years. The research of W. Chan Kim and Renée Mauborgne focused on discovering the common factors that lead to the creation of blue oceans and the key differences that separate those winners from the mere survivors and those adrift in the red ocean.The database and research have continued to expand and grow over the last ten years since the first edition of the book was published and the strategic moves we studied depict similar patterns, whether blue oceans were created in for-profit industries, non-profit organizations, or the public sector.

Temos alguns exemplos de iniciativas estratégicas de Oceano Azul em várias organizações e setores diferentes. Selecione os ícones abaixo para saber mais.

Estudo de Caso da Bloomberg Financial News
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Canon
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Cemex
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Cirque du Soleil
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Curves
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Modelo T da Ford
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do iTunes
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da JCDeaux
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da NetJets
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Novo Nordisk
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Departamento de Polícia de Nova York
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Peirce College
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Philips
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da QBHouse
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Quicken
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Polo Ralph Lauren
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Viagra
We use cookies to ensure you get the best experience on our website and continuing implies your consent - Read our full cookie policy Okay, don’t show me again