Curves

Com uma iniciativa estratégica de Oceano Azul que reergueu os limites entre as academias tradicionais e os programas de exercícios domésticos, a Curves, uma empresa de fitness feminino sediada no Texas, espalhou-se como fogo depois de ter iniciado um programa de franquias em 1995.

E o que é mais surpreendente, esse crescimento aconteceu quase que inteiramente graças à propaganda boca a boca e a referências de amigos. Ainda no seu início, a Curves era vista como uma empresa que estava entrando num mercado saturado, voltando suas ofertas para clientes que não as queriam, tornando, assim, seus produtos significativamente mais brandos que os da concorrência. No entanto, a Curves teve uma explosão de demanda na indústria de fitness dos EUA, descobrindo um mercado até então inexplorado: um verdadeiro Oceano Azul de mulheres que batalhavam e fracassavam para manter a forma. A Curves apoiou-se nas vantagens decisivas de dois grupos estratégicos na indústria de fitness dos EUA – academias tradicionais e programas de exercícios domésticos – e eliminou ou reduziu todo o resto.

De um lado, a indústria de fitness dos EUA estava inundada de academias tradicionais que atendiam a homens e mulheres, oferecendo uma linha completa de exercícios e opções esportivas, normalmente em locais urbanos de alto nível. Suas instalações modernas eram projetadas para atrair pessoas ricas. Os investimentos para montar uma academia tradicional completa partiam de US$ 500.000 até mais de US$ 1 milhão, dependendo do local no centro da cidade.

De outro lado estava o grupo estratégico de programas de exercícios domésticos, como vídeos, livros e revistas de fitness. Estes representavam só uma pequena fração do custo, eram usados em casa e geralmente exigiam pouco ou nenhum equipamento de exercício. As instruções eram mínimas, bastava seguir o apresentador do vídeo ou as explicações e ilustrações dos livros e revistas.

A questão em que a Curves se concentrou: o que fazia as mulheres alternarem entre as academias tradicionais e os programas de exercícios domésticos? A maior parte das mulheres não escolhe as academias por causa das máquinas especiais, dos sucos, dos vestiários com sauna e piscina ou da oportunidade de conhecer homens. Quanto ao tempo, poucas mulheres podem passar uma a duas horas numa academia várias vezes por semana. Para a maioria delas, locais no centro da cidade também apresentam tráfego intenso, algo que aumenta o estresse e desmotiva a ida à academia.

A maior parte das mulheres prefere as academias por um motivo específico. Quando elas estão em casa, é muito fácil encontrar uma desculpa para não se exercitar. Por outro lado, as mulheres que usam programas de exercícios domésticos priorizam a economia de tempo, os menores custos e a privacidade.

A Curves criou seu Oceano Azul aproveitando os diversos pontos fortes destes dois grupos estratégicos, eliminando e reduzindo todo o resto.

A experiência de um clube Curves era totalmente diferente da experiência de academias comuns. O membro entrava na sala de exercícios, onde as máquinas (normalmente cerca de dez) eram organizadas não em linhas voltadas para a televisão, como nas academias, mas num círculo para facilitar a relação com outros membros, tornando a experiência muito mais divertida. O sistema de treinamento Quickfit usava máquinas hidráulicas de exercícios que não precisavam de ajustes e eram seguras, simples de usar e não apresentavam riscos para o usuário. Enquanto se exercitavam, os membros podiam conversar e incentivar uns aos outros. A atmosfera social e sem preconceitos era totalmente diferente do ambiente de uma academia comum. Havia poucos espelhos nas paredes e nenhum homem olhando para você. O resultado de reduzir e focar o serviço apenas no essencial foi a queda abrupta nos preços para uma fração do custo de uma academia tradicional, ampliando o mercado para uma massa muito mais ampla de mulheres. O slogan da Curves poderia ter sido "pelo preço de uma xícara de café por dia, você pode obter saúde com exercícios adequados".

A Curves oferecia um valor distinto a um custo muito reduzido. Os investimentos iniciais eram significativamente inferiores para a Curves, assim como os custos variáveis, graças à extensa lista de fatores que a empresa eliminou ou reduziu. O resultado era que a Curves não competia diretamente com outros conceitos de exercícios e saúde; ela havia criado uma nova demanda. Hoje em dia, depois de vinte anos, ela possui quase dez mil clubes em todo o mundo e atende a mais de quatro milhões de membros. Apesar dos obstáculos ao longo do caminho, ela tornou-se a maior franquia de fitness feminino do mundo.

Você conseguiria criar um Oceano Azul de novos espaços de mercado inexplorados como a Curves fez aplicando a segunda fronteira do modelo das seis fronteiras da Estratégia do Oceano Azul?

Iniciativas Estratégicas dos Oceanos Azuis

Blue ocean strategy is based on over decade-long study of more than 150 strategic moves spanning more than 30 industries over 100 years. The research of W. Chan Kim and Renée Mauborgne focused on discovering the common factors that lead to the creation of blue oceans and the key differences that separate those winners from the mere survivors and those adrift in the red ocean.The database and research have continued to expand and grow over the last ten years since the first edition of the book was published and the strategic moves we studied depict similar patterns, whether blue oceans were created in for-profit industries, non-profit organizations, or the public sector.

Temos alguns exemplos de iniciativas estratégicas de Oceano Azul em várias organizações e setores diferentes. Selecione os ícones abaixo para saber mais.

Estudo de Caso da Bloomberg Financial News
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Canon
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Cemex
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Cirque du Soleil
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Curves
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Modelo T da Ford
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do iTunes
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da JCDeaux
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da NetJets
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Novo Nordisk
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Departamento de Polícia de Nova York
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Peirce College
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Philips
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da QBHouse
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Quicken
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul da Polo Ralph Lauren
Estudo de Caso da Estratégia do Oceano Azul do Viagra
We use cookies to ensure you get the best experience on our website and continuing implies your consent - Read our full cookie policy Okay, don’t show me again